terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Que se foda a GM !!!

Agora me diga você: Por quanto tempo mais iremos continuar contribuindo para a expansão e domínio dessas mega-empresas automobilísticas? Até quando e onde iremos permitir que se continue investindo em um meio de transporte tão pouco coletivo movido por combustíveis causadores de fome e guerras? Quando chegará o dia em que deixaremos de acreditar nas manchetes destes jornais bem pagos que insistem em repetir que somente salvando da falência essas empresas centenárias nosso futuro estará garantido? Pois é, até quando? Acredito não ser fácil entender essa lógica, mas, a longo prazo, empresas como GM, Ford, Wolkswagem, Fiat etc..., com suas super-campanhas publicitárias nos venderam um sonho individualista de um veículo próprio, o moderno segredo do sucesso, andar sob quatro rodas foi alardeado pelos quatro cantos do mundo como uma nova página de nossa história. Realmente outra página foi escrita, deu-se inicio a uma era industrial já mais vista onde a natureza era subordinada pelo homem e via suas veias serem perfuradas para que se fossem removidos delas o combustível dessa nova revolução. Nunca se ganhou e se acumulou tanto dinheiro na história, países foram criados, outros tantos destruídos, e milhares de máquinas foram vendidas pelos quatro cantos do mundo impulsionando assim um sistema que puxava com ele todas as economias tornando-as dependentes, possibilitando-nos chegar ao século 21 com diversas conquistas em todos os campos de pensamento e montados num planeta cada vez mais cinza, de rios cada dia menos potáveis, vitimados por predadores industriais capitalistas, urbanos, magnatas que através das janelas de seus jatinhos e helicópteros particulares vêem o quanto caóticas e poluídas transformaram-se as ruas e avenidas que eles não planejaram. Esses mesmos homens que nunca permitiram aos países, ditos de terceiro mundo, desenvolverem suas economias através da produção e consumo de seus próprios veículos, que juntos com as mega-companhias de petróleo impediram o desenvolvimento de combustíveis alternativos e limpos, esses mesmos corporações que ajudaram a financiar tantas guerras (Basta lembrar-se dos inúmeros conflitos que afligiram as várias regiões do Oriente médio nos últimos 30 anos) só para que seus consumidores não ficassem sem seu cada vez mais vermelho e caro combustíveis e derivados, são os mesmos que, depois de tanta desgraça gratuita oferecida ao planeta, tem a pretensão de anunciar ao mundo a chegada dos bio-combustíveis como a solução ao problema do fim das reservas de petróleo dando inicio assim a uma busca insaciável por terras, antes preservadas ou destinadas a produção de alimentos, para que sejam semeadas com o combustível do futuro aumentando assim catastroficamente a alta nos preços dos alimentos e posteriormente a fome no mundo. Agora me diga você, porque temos que ficar preocupados com a falência dessas empresas? Por causa da perda de alguns milhares de empregos! E as outras bilhares de pessoas que sobram no mundo! Até quando os mais fracos irão ter que sofrer para que veículos cada vez mais luxuosos e perversos ajudem a congestionar e poluir nossas ruas já tão congestionadas e poluídas? Em vista disso os governos se vêem com as mãos e os pés atados devido a uma possível demissão em massa, não conseguem enxergar uma possibilidade para contornar tal situação e deixarem de ser subserviente, oferecendo dessa forma sua gente e suas terras para serem explorados por mais cem anos.

Em vez disso os governantes poderiam propor transporte público de qualidade movido por combustíveis limpos e produzidos legalmente; Construiriam também muito mais ciclovias incentivando assim a prática saudável deste esporte; Obrigatoriamente teriam que investir dobrado em educação de base e nas áreas de tecnologia de nossas tão sucateadas Universidades públicas para que no futuro pudéssemos colher os frutos dessa revolução. Pois eu, Alvo Cabral, quero que essas Mega-empresas sanguessuga causadoras de tantos problemas se fodam e que se fodam com ela todos esses incentivadores de desigualdade e que os governos criem, se for preciso e capazes, frentes de trabalho para que sejam absorvidos esses futuros desempregados. E já que nossos parlamentares se dizem tão preocupados com o futuro das sociedades, que reduzam os seus salários astronômicos para que mais pessoas possam respirar um pouco de ar puro enquanto caminham em suas praças e avenidas sabendo que todos os seus direitos garantidos por lei são respeitados.

Foto: Maria Therese


Foto: Maria Therese